Desabafo. Vol 2

Tem sido dias difíceis. Tem sido dias tristes. Tem dias que a cama é o abraço que eu não quero mais sair.

O mais difícil é fingir que está tudo bem, que eu estou grato e feliz mas por dentro to morrendo ao poucos… não é o ter que diz sobre o quanto você está bem mas o ser, estar bem consigo mesmo. A autoestima pode ser uma amiga traiçoeira, que só em pontos pode te fazer se sentir bem e em outros pode te fazer afundar.

Ouvir uma frase em um filme que dizia: “ Você tem a coisa mais importante neste mundo: um motivo para acordar todas as manhãs.” Fiquei pensando, qual é o meu motivo de acordar todos os dias ? Até agora estou sem a resposta, já tentei procurar mas não a encontrei; talvez minha mãe seja o meu motivo.

Eu to cansado. Não me sinto realizado em nada, sigo em uma profissão que parece uma ponta de faca que cada vez mais vai se enfiando em mim. Minha vida pessoal é uma bosta, isso tudo por causa do meu psicológico fudido por causa da minha autoestima,ou seja, uma bola de neve que só cresce e rola desgovernada esperando bater em algum lugar. Eu não estou sendo ingrato, na verdade só queria saber a resposta da vida ser tão injusta com todos nós, eu fico triste e descrente vendo injustiças, pessoas que só pensam em si se dando bem, porque o universo, Deus, Buda… deixam isso acontecer ?! enquanto tem pessoas tão boas querendo só uma oportunidade pra ser boa com outras. Respostas que nunca terei.

Queria que amanhã fosse feriado. Não gosto do meu trabalho mas preciso pagar contas, então vamos lá. Boa semana pra gente!!

Yan E.

Desabafo. Vol 2

O fim.

Ontem dia 19 tive a confirmação do que eu já sabia… na academia avistei ele e já perdir o controle da respiração, fiquei ofegante com ataque cardia, só que o pior estava por vim…ele estava com outro e isso doeu, me deixou desnorteado, não pelo fato dele estar com outro, mas pelo fato que eu vi e confirmei o que eu só imaginava. hoje eu choro, mas sinto que devo chorar, sofrer e acabar logo com isso, ir para frente, deixar o passado lá trás ver que mesmo diante de ter culpa por isso tudo está acontecendo também aprendi a não deixar acontecer de novo, aprendi isso com a dor. Nunca pensei que passaria por isso mas a vida ela é incontrolável, imprevisível e linda pois sei que isso vai me ensinar muita coisa. Está doendo, quero chorar mas sei que preciso viver isso, preciso tirar isso de mim para que o novo venha.

Yan E.

O fim.

Ei, passado!

Essa é uma carta para o Yan do futuro.

É, amigo! até aqui não realizamos aqueles sonhos ainda. De certa forma está tudo bem temos apenas 23 anos, ou não, não está nada bem. Hoje é o final de semana que decidimos começar a estudar para um concurso, não era isso que tínhamos planejado, né? A questão aqui é toda a frustração em desistir e começar tudo do zero, reiniciar. Não me importo com a pessoas de fora mas tem 3 pessoas que a opinião deles e dela importa muito, não quero decepciona-los, quero dar orgulho e estabilidade para eles, sei que nisso tudo você fica de lado mas eles já fizeram tanto por nós que essa recompensa é para eles. Quem sabe no meio do caminho alguma coisa mude as velas e o barco não navega para um lado melhor. O futuro é planejado, se Vai sair como planejado, aí já é outros quinhentos, mas de uma coisa a gente sabe você fez o seu melhor dentro do seu possível e você conseguiu, adquiriu experiência, cresceu como pessoa e entendeu que a vida não é como queremos ela é como deve ser e o seu melhor é o que você consegue ser, que para nós já é ótimo.

Não se culpe se você chegou aos 30 e não conseguiu o que queria, como a gente sabe nem tudo está sempre ao nosso alcance, você fez e sempre fará o seu melhor, tudo que acontecer e consequência disso e de nós. Vou sempre estar aqui para que sejamos sinceros um com o outro. Sempre olhe no fundo dos seus olhos e admita a pessoa incrível que você é por ter passado por tudo sem desistir. Te amo, meu lindo.

Yan E.

Ei, passado!

Raízes

Tem tanta coisa acontecendo que eu nem sei por onde começar a escrever. A alguns dias terminei de ler um dos melhores livros que já li até esse momento, o livro se chama “enraizado”, o resumão dele; ele vai explicar como manter raízes em Deus mesmo diante de dificuldades. Durante todo o livro o autor, um pastor de uma igreja nos Estados Unidos, vai nos mostrando através das história da bíblia como os discípulos e os escolhidos por Deus mesmo diante das dificuldades ainda confiavam e esperavam pelo seu propósito. Aprendi muito com esse livro, sei que não devo substituí -lo pela bíblia, mas ele me deu esperança de dias melhores. Eu sou um homem/jovem que não sabe muito sobre a vida mas que tem muito interesse em saber, sei que já fui muito desconfiado e desacreditado por sempre colocar na cabeça que o mundo é injusto, eu sempre me perguntei o por que de muitos terem tantos e outros nada e porque uns tem varias oportunidades e outros nenhuma. são perguntas sem respostas. Aprendi que a propósitos para cada pessoa, que não adianta eu colocar a culpa em alguém ou alguma coisa Deus sempre tem um propósito para aquele que o ama. Eu sei bem que tem dias que são difíceis confiar, somos humanos, temos fraquezas e somos pecadores mas isso não quer dizer que Jesus não nos ama, pelo contrário ele deu a sua vida por nós para que sejamos salvos e eu quero ser grato por isso o resto da minha vida, quero ama-lo e um dia encontrar com ele e dizer: obrigado!

Hoje é mais um domingo de quarentena, mais um dia que aprendemos que não controlamos nada que o ser humano pode sim ser bom mas também pode ser bem ruim, cada um sabe o doce e o amargo de ser quem é, né!

Tenho aprendido algumas coisas sobre o ser humano nesse período. Aprendi que você não precisa ser a pessoa mais linda ou lindo do mundo para ser amado você só precisa ser doce e verdadeiro como uma criança, ser verdadeiro principalmente com você mesmo.

Li uma vez que a vida quer da gente coragem; eu acredito que realmente seja isso, ter coragem! não desistir e sempre crer que tem alguém olhando seu esforço e perseverança, e com diz a frase clichê: não desista você só está cansado.

Yan E.

Raízes

Oi, presente.

Eu nunca me imaginei chegar com 23 anos com todas as conquistas que consegui. Hoje, mais do que nunca, conseguir outra realização, tudo bem que não foi cem por cento meu esforço, mesmo assim não tira a credibilidade da conquista. Lembro que aos 12 anos eu só queria fazer 14, na minha cabeça ter 14 anos era o ápice e quando os 14 chegaram veio a vontade dos 16 e aos 16 a vontade de entrar na faculdade. Eu não sabia exatamente o que queria cursar só sabia que queria fazer faculdade, e fiz! 5 longos anos se passaram, me formei mas ainda não trabalho na área, mas aprendi muita coisa nesses cinco anos, não tô falando de matérias essas coisas, e sim, da vida. Aprendi a tratar as pessoas melhores, aprendi que momentos bons tem um tempo pra durar, aprendi que amizades na verdade eram só colegas, aprendi que fazer promessas em mesa de cantina são só palavras soltas ao vento e aprendi que pessoas se tornam desconhecidos ao passar dos meses. Romantizar não é a questão aqui, o que eu quero dizer é que com apenas 23 anos eu não quero mais promessas vazias ou ir em rave dançar a noite toda e beber como eu fazia aos 19 anos, isso pra mim já não é necessário pra poder me encaixar em algum lugar, hoje, pra mim, o que realmente importa é se minha mãe tá bem, se eu vou ser um bom profissional, se os meus sonhos de crescer vão dar certo. Hoje depois de um feito que conseguir com a ajuda do meu irmão entendi que a vida não é só farra, procurar pessoas pra beijar, ir em festa, a vida é mais que isso. Eu, Yan vejo alegria em uma manhã de sábado de inverno, onde o céu é o azul mais lindo pintado por Deus, é passar o dia ouvindo música e rolando a tela dos sites de fotografia que gosto. Quem diria que esse seria o meu presente, aquele garoto da adolescência se descobrindo e querendo descobrir o mundo hoje gosta mesmo é do silêncio da natureza, de se enrolar na coberta nas noites frias sabendo que ao quarto ao lado dorme as pessoas que ele mais ama. Viver esse presente me trouxe muitas coisas boas, muitas lições de como viver e dar valor a todos que amo. Sinto que hoje não preciso de uma festa pra me libertar, faço isso sozinho na cozinha da minha casa com fones de ouvido enquanto cozinho um macarrão. É sobre isso. Estar com você mesmo lidando com os traumas, conquistas e tudo que a vida vem trazendo de imprevistos, mas sabendo que tem alguém lá de cima te olhando e te preparando mais um presente lindo chamado, amanhã.

Yan E.

Oi, presente.

Curva.

Dia sei lá qual da quarentena. Mais um surto pra conta, ou seja, nada de novo sobre o horizonte. Hoje eu fiquei pensando sobre muitas coisas na minha vida. Comecei meu dia já procurando um texto sobre comparação, sim a quarentena me fez entrar nessa noia, ódio. Enfim, surtei, li o texto que se dizia ter referência de uma psicóloga, li coisas que precisava do tipo:….. é isto.

Agora é sério. O surto de hoje teve um motivo, como disse no texto anterior ~~ se vc não leu, link na bio~~zoa. Esse ano era pra ser o meu ano, sabe,só que por conta do senhor coronga tudo deu errado e obviamente o surto foi por causa do meu excesso de futuro em relação ao coronga e tudo mais. Uma vez li um texto sobre as pessoas sempre quererem uma curva na vida, -explicando- a ‘curva’ é uma metáfora para um novo caminho. Hoje eu realmente estava pedindo uma curva na minha vida, como sempre ressalto sou muito grato por tudo na minha vida, mas nada foi eu que escolhi e as vezes eu queria escolher a curva que vou entrar, pelo menos uma vez, só pra olhar, respirar e dizer: era isso, consegui!!

Me inspiro em pessoas que tem coragem de largar tudo e viver os sonhos ou aquela galera que trabalha de free lance com as coisas que gostam, sei que não é fácil, mas me fala alguma coisa na vida que é ?

Mas, pensei muito vi que sempre quis viver de outras coisas, sei também que agora não é o melhor momento pra largar tudo e ir atrás desses sonhos, tô agradecendo que tenho um emprego, salário fixo e etc, sei que pra muita gente as coisas estão bem complicadas.

Tô com uma pulga do serviço me incomodando também, mas isso é outro desabafo. Tchau.

Yan E.

Curva.

Confusão e pandemia.

Olha só quem voltou….eu mesmo.

Hoje, domingo 19 de abril de 2020. Tô bem confuso. Estamos no meio de uma pandemia mundial, ninguém sabe como vão ser as coisas ou se vão ter coisas, não digo isso pra causar desespero, mas sim, porque não temos respostas de quando tudo vai passar.

Na real, nem é sobre isso que vim falar aqui. Hoje como mais um dia de quarenta dei uma leve surtada, o que é estranho já que acordei muito bem, mas como não sabemos o funcionamento do universo, tudo desandou durante o dia. Dois mil e vinte era pra ser um ano de realizações de sonhos pra mim, tinha planejado uma viagem dos sonhos e infelizmente tudo deu errado, na verdade muita coisa vem dando errado, as vezes eu só queria uma resposta, não precisa ser muito só uma sinal dizendo vai ser melhor. Tudo que venho planejando desde de 2019 deu errado, desde de passar na oab, tentar mudar minha vida e da minha família e até essa viagem. Eu sei que sou privilegiado em vários sentidos, mas a questão aqui não é essa, e sim o fato de como não temos o controle das nossas vidas, sou muito grato por tudo que conquistei aos 23 anos, mas muitas dessas coisas eu não sonhei, simplesmente foram acontecendo e eu só fui seguindo a maré e sendo levada por ela.

Hoje em dia estou trabalhando no cartório, sou muito grato por estar lá, mas todo dia sinto que não é esse o futuro que quero, também não sinto que quero ser advogado, mas queria a oab para ter um segundo plano, enfim.

Há duas semanas comecei a fazer inglês,  cara como é bom aprender algo novo (risos),tô parecendo uma criança aprendendo a falar, tudo eu quero traduzir, conversar em ingles kkk, isso me deixa feliz, sabe por que ? Aprender algo novo me da outro leque de possibilidades pra um futuro, não me limita a realidade que vivo hoje, quero muito ajudar meus pais, irmão, quero poder ajudar eles a pagarem as contas, quero poder planejar uma uma viagem, ter meu cantinho que tanto sonho todos os dias imaginando a decoração, quero ser dono do meu destino, é só isso, mais nada.

Autor, Yan E.

Confusão e pandemia.

Desabafo.

De uns dias pra cá venho pensando muito sobre quem eu sou ou quem eu me tornei,corrigindo me tornei não,quem eu sempre fui mais sempre tive medo e vergonha de me aceitar de verdade,pessoas que se dizem meus amigos sempre perguntam ou especulam comigo sobre minha sexualidade,sempre neguei qualquer coisa por que na minha cabeça ninguém precisa saber sobre minha vida o que faço e etc.
Mas ao mesmo tempo sinto que isso me faz mal,porque? nem eu sei. As vezes por não querer demonstrar o que as pessoas julgam eu ser. Vejo e sinto sempre as pessoas me rotulando mais sempre me permaneci forte e calado,não por medo ou fraqueza mais para me próprio preservar e não ter que dar explicação a pessoas da qual nem conheço mais que me pergunta informalmente sobre minha vida.
Já tentei agradar pessoas pra serem meus amigos fingindo que namorava uma menina,mas enfim vi que só estava me enganando porque mesmo que tentássemos enganar as pessoas elas só vão acreditar no que elas próprias pensam,se elas pensam que você e gay então você será gay pra ela e todos em sua volta,pois na maioria das vezes um fruto podre contamina toda a arvore.

Enfim nunca demonstrei que ligava pra opinião das pessoas sobre o que acham que sou ou deveria ser,mais quando eu estava sozinho ficava pensando no que tinha acontecido e percebia que de certa forma eu ligava sim,mas sempre me mostrei forte se assim dizendo,porém as pessoas que demonstram ser forte são as mais fracas entre todas,pode ser por sentimentos repreendidos ou porque a vida as obrigam a serem assim. Não sei se devo conta à alguém,não tenho vontade estou bem,quando tiver vontade de falar vou falar, com pessoas que realmente querem o meu bem,não com uma sociedade onde padrões são definidos e você é obrigado a obedecer sem nenhum tipo de escolha.

Texto escrito em 2016.

 

 

Autor, Yan E.

 

Desabafo.

Amor ?

Quando ficamos pela primeira vez com alguém um expectativa é gerada, seja ela por uma continuidade ou simplesmente por um amizade, um ou outro, isso vem a causar um desconforto interno em nós mesmos, mesmo sem saber o que realmente está se passando dentro do peito. Isso pode ser só um sentimento de amizade ? Pode, mais e  quando vc sente que não é só amizade, que o que você esta sentindo e uma coisa maior, que quer transbordar pelo seu peito, você quer chagar na outra pessoa olhar em seus olhos e dizer que sente um carinho a mais por ele, quando chegar esse ponto meu amigo, se prepare por que a situação vai ficar pior, a não ser que você saiba lidar com tudo isso que se passa dentro de você, caso contrário vamos ser amigos e chorar um no ombro do outro, sabendo que talvez nunca teremos a chance desejada com aquele crush.
Exagero ?  não, realidade.  É difícil demonstrar sentimentos, já que agente nunca sabe como a outra pessoa vai lidar com isso, se ela vai retribuir ou se aquilo só serviu pra encher seu flamigerado ego. Mais uma coisa é certa, guarda isso dentro de você só vai te matando aos poucos, rasgando o peito a cada olhar que eu troco com ele, a cada vez que eu fico sabendo que ele beijou outra pessoa, isso vai te matando devagar, até que agente aprende a matar isso que está dentro do nosso peito primeiro.

Y.F.E

Amor ?

UM QUASE NÃO OLHAR!

A vida em suas fases pode ser cruel, o olhar de uma criança e a prova disso, ou mesmo um quase não olhar de uma criança.

Uma coisa que aconteceu comigo hoje, domingo dezesseis de outubro de dois mil e dezesseis, era por volta de umas nove e meia da manha, eu escuto alguém batendo palma chamando “o de casa”, não liguei, pois era a voz de uma criança e como de rotina sabia que era um menino que minha mãe sempre comprava alguma coisa dele, eu não sabia ao certo o que ele vendia porque nunca perguntei minha mãe, só que as palmas e os gritos se estenderam, e eu comecei a ficar irritado com aquilo, mais não levantei da cama continuei ali esperando que o garotinho fosse embora, já que só estavam eu e meu irmão em casa e ele estava dormindo. Os gritos pararam imaginei que o garoto tinha ido embora, mais então escutei ao longe de novo as palmas e o grito “o de casa”, resolvi então levantar, fui ate a porta, quando coloquei a mão na fechadura da porta, mas hesitei e resolvi não abrir, fui então até a janela da frente abrir e lá estava um garotinho franzido, de mais ou menos uns onze anos, moreno de cabelinhos cacheados e olhos claros, de bermuda amarela uma regata vermelha e com uma carriola e com vários saquinhos de tomates, batatas e repolho, abrir a janela e ele não me viu, então fechei sem que ele me visse, mais resolvi abrir de novo e ele se virou olhou rapidamente para mim e perguntou abaixando a cabeça se eu queria comprar tomate, não sei porque mais na hora me deu uma angustia um sentimento de vergonha por ter recusado, e até ter ficado bravo por um garotinho bater palmas na minha casa em um domingo de manha,  simplesmente para tentar vender seus tomates. Quando ele perguntou se eu queria comprar no automático disse que sim, fui no quarto peguei na minha mochila três reais, e quando voltei para a janela ele estava no portão me esperando, cheguei perto dele percebi que ele não olhou direito para mim, o olhar dele se desviava, entreguei o dinheiro e ele perguntou qual dos cinco saquinhos de tomate eu iria querer, escolhi um mais vermelho ele disse obrigado e saiu para tentar vender o resto.

Só que eu tive uma surpresa quando minha mãe chegou, ela me perguntou de onde era aqueles tomates, e eu disse que era de um garotinho que passa vendendo, então ela perguntou “um que passa com a carriola?”, eu respondi que sim, então ela completou, eu sempre compro dele, tadinho ele tem um problema de visão e quase não enxergava, ele vende os tomates para tentar comprar um óculos, quando minha mãe disse isso eu me quebrei ao meio de tanto remorso por não ter atendido ele mais cedo, eu na hora pensei o que ele passa por não conseguir enxergar direito, porque na hora eu me coloquei no lugar dele, eu uso óculos e sei como é quando fico muito tempo sem usar, me dar dor de cabeça e embaça as vistas. Quando parei pra refletir o que tinha me acontecido essa manha só consegui chorar.

Às vezes queremos coisas tão desnecessárias, seja um celular novo ou uma roupa da moda e quando não conseguimos ficamos com aquele sentimento de que as coisas não dão certo, mais quando a vida te coloca em frente a uma situação dessa, em que um garotinho sai empurrando uma carriola debaixo de um sol quente, só para tentar um dia conseguir comprar um óculos, agente vê como a vida e dura com algumas pessoas, mas mesmo assim continuando lutando ainda que demore eles não desistem. A próxima vez que me encontrar com esse garotinho vou conversar com ele, tenho meu primeiro óculos guardado não uso mais, claro o problema dele deve ser mais grave mais não custa tentar de alguma forma ajuda-lo.

Essa historia é real, espero realmete encontrar esse garotinho, e de alguma forma tentar mudar a vida dele.

Autor, Yan E.

UM QUASE NÃO OLHAR!